terça-feira, 3 de setembro de 2013

O BEM MAIS PRECIOSO QUE TEMOS: O TEMPO


O tempo é parte de nossa vida humana, exatamente porque ele é dinâmico e passageiro, embora, infinito.
Qualquer um de nós pode eleger o tempo como companheiro e amigo e teremos várias razões para tal escolha:
- O tempo consolida as virtudes verdadeiras e liberta-nos das falsas ilusões, levando-as com ele;
- O tempo é favorável às boas intenções e à boa vontade, fortalecendo-as e  tornando possível a concretização dos sonhos;
- E apesar da presença de Deus ser atemporal, podemos dizer que essa presença está intimamente ligada ao tempo, porque:
* Nós não o vemos, mas ele está sempre aí;
* Nós não o tocamos, mas o vivenciamos;
* Nós não o ouvimos, mas ele tem uma canção profundamente silenciosa;
* Jamais o deteremos, pois ele sempre se vai... ele não cabe em nossos esquemas, não se deixa aprisionar por nossas mentalidades confusas e estreitas.
O tempo é amplitude, é infinito, não depende de nossos limitados projetos; pelo contrário, tudo o que projetamos deve submeter-se a ele, pois como amigos do tempo, aprendemos a esperar e também a confiar.
E quer queiramos, quer não, o tempo nos amadurece toda vez que nos entregamos amorosamente a ele, ou adoece-nos quando tentamos segurá-lo e contra ele em vão tentamos lutar.
Portanto, aceitar o tempo como amigo, é uma questão de opção, que uma vez amadurecida, poderá nos causar grande paz e trazer muitas alegrias.

 
REVERÊNCIA AO TEMPO

Silenciosamente, reverencio o tempo; em silêncio? Sim, porque ele, por si só, evoca silêncio, concentração e atenção... evoca também despojamento, para que assim possamos melhor ouvi-lo, melhor compreendê-lo. O tempo é digno de nosso  respeito, para que assim, seja possível caminharmos de mãos dadas com ele, no  caminho pelo qual estaremos em paz.
Quando nossos passos se apressam, ficamos ofegantes e nos cansamos rapidamente. Enquanto o tempo caminha sereno e no próprio ritmo, sempre.
 O tempo não se apressa e por isso não se cansa. sendo assim, não há nele, a necessidade de parar. E prossegue decididamente seu caminho, sendo acompanhado por aqueles que se decidem por segui-lo, pacientemente, no seu ritmo. Aprendamos, portanto, com o tempo, certos, de que sem dúvidas é nele que Deus se revela.
  
Quando Deus se revela no tempo

O tempo é sempre habitado por Deus e é também o lugar da revelação desse Deus.
Quando nos colocamos no tempo como proprietários ou tentando inutilmente, ser donos dele, ficamos inquietos e insatisfeitos. Consequentemente, os projetos estacionam, os sonhos perecem, a vida não tem sentido. Quando, pelo contrário, nos propomos a contemplar a ação de Deus nesse tempo, tudo se acalma e se torna sereno, porque, Deus, que habita o tempo, é amor e é paz.
Assim, o tempo habitado por Deus é santificado, é honrado. Nele, Deus é glorificado e nós, seres humanos, juntamente com toda a natureza e com todo o cosmos, somos transformados. Isso é contemplação.

LOUVOR A DEUS NO TEMPO

O tempo, conforme foi dito no texto anterior, é o lugar da revelação de Deus. E por que não dizer que é também o lugar do louvor a Deus? Pois é no tempo que se manifestam todos os nossos gestos e ações de reconhecimento do amor, da bondade e da compaixão de nosso Deus para conosco. É ainda no tempo, que o Pai é glorificado de todos os modos e maneiras. 
O ser humano, obra de sua criação, bem como a natureza e todo o cosmos, eleva para Ele, do nascer ao pôr do sol, um louvor puro e sincero. E em todo o tempo, o próprio Espírito suscita em vários lugares da terra, um louvor verdadeiro e agradável ao Deus Eterno, Senhor do tempo.
Sendo, portanto, o tempo imensurável e infinito, como Deus o é, torna-se o melhor lugar de concretização das realidades divinas. E, sem dúvida, quanto mais conseguirmos fazer uso do tempo para elevar nosso pensamento e nosso coração ao Senhor, em um louvor sincero, mais santificaremos o tempo.

E quanto mais invocamos a presença, o amor, a compaixão e a ação divina neste tempo, mais preencheremos o tempo da presença digna de toda a reverência, de toda a gratidão e de uma ação de graças selada desde toda a eternidade, pelos santos que habitaram, que habitam e que habitarão a terra.